Vitória do sindicato na defesa dos servidores do CTI

Os servidores do Centro da Tecnologia da Informação (CTI) foram removidos, na tarde de quinta-feira (8), da garagem do Paço Municipal, onde dividiam espaço com veículos (e os gases tóxicos dos equipamentos); para o piso superior do Terminal Rodoviário. A medida só foi tomada depois de o SISMMAR cobrar a imediata remoção dos cerca de 15 servidores daquele local insalubre, que oferecia sérios riscos à saúde dos trabalhadores.

Na manhã anterior à remoção, o blog já informava sobre a ação do SISMMAR em defesa dos servidores do CTI. Um ofício enviado pelo sindicato à administração dava 48 horas para que uma solução para o problema fosse encontrada. O prazo terminaria às 17 horas desta sexta-feira, porém, por conta da ação do SISMMAR e da confiança depositada pelos servidores no sindicato, uma solução foi encontrada dentro do prazo.

Esse episódio escancarou uma tremenda falta de vontade política da administração Barros – com pouca ou nenhuma preocupação com a saúde de seus trabalhadores – em resolver o problema. Mesmo com um laudo da saúde ocupacional, contrário à permanência do CTI no subsolo do Paço,  a administração deixou os servidores no local por um ano e meio, vindo a resolver o problema não por vontade própria, mas por pressão sindical.

Os atos do sindicato nesse processo, o que inclui o envio do ofício à administração, foram definidos em mesa de negociação com os servidores do setor.  Por conta disso, querendo desmerecer os esforços desmedidos do SISMMAR, a administração chamou os trabalhadores do CTI para apresentar contraproposta, sem a presença do sindicato. Ao secretário os servidores informaram que só discutiriam uma solução com a presença de dirigentes do SISMMAR.

“Coincidentemente”, a administração decidiu transferir o CTI justamente para o local indicado pelo SISMMAR na primeira reunião sobre o assunto, realizada na terça-feira (6). Agora, o SISMMAR acompanhará a situação para ver se a sala no Terminal Rodoviário é adequada e se atende as expectativas e necessidades do setor. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*