Capa : : CENTRAL SINDICAL : : SISMMAR repudia violência do Estado contra servidores(as) municipais de Curitiba

SISMMAR repudia violência do Estado contra servidores(as) municipais de Curitiba

Em solidariedade aos servidores(as) municipais de Curitiba, o SISMMAR repudia veementemente a violência empregada pela Polícia Militar do Paraná – sob comando do governador Beto Richa (PSDB) – contra a categoria. As agressões ocorreram na terça-feira (20), quando os trabalhadores pressionavam os vereadores da Capital do Estado a retirarem da pauta do Legislativo um conjunto de projetos de lei do prefeito Rafael Greca (PMN) que retira direitos da categoria e dos moradores da cidade.

Segundo informações do Sismuc, apesar do enfrentamento entre policiais e manifestantes – muitos deles feridos por golpes de cassetetes, enforcamentos ou intoxicados por gás de pimenta -, um grupo de 30 pessoas conseguiu entrar no Plenário da “Casa do Povo” e a sessão, que iniciaria às 10 horas, acabou sendo suspensa, no início da tarde, até a próxima segunda-feira (26).

 

Servidores(as) foram atacados com spray de pimenta e cacetadas. O grupo, mulheres em sua maioria, estava em frente à Câmara de Vereadores (20/06/2017) – foto Ibran Mendes

Leia abaixo a publicação da CUT/PR sobre a truculência do governo contra os servidores de Curitiba.

***

Servidores públicos de Curitiba que protestavam contra retirada de direitos são atacados pela PM

Servidores municipais em greve desde a semana passada contra um “pacotaço” do prefeito Rafael Greca (PMN) que retira direitos foram agredidos pela Polícia Militar na manhã desta terça-feira (20). Os trabalhadores foram atacados com spray de pimenta e cacetadas. O grupo, majoritariamente formado por mulheres, estava em frente à Câmara de Vereadores.

As agressões aconteceram em dois momentos. O primeiro deles quando um pequeno grupo de trabalhadores ocupou o plenário do legislativo municipal pouco depois das 10h. O segundo às 12h quando, sem muitas explicações, policiais começaram a despejar spray de pimenta em alguns servidores públicos. Como os trabalhadores não saíram das escadarias do prédio as agressões se intensificaram, inclusive atacando com cassetetes trabalhadores que estavam de costas.

Continue lendo…